Número total de visualizações de página

Follow by Email

quinta-feira, 29 de novembro de 2012


O Blog do Diário de um Batom mudou de imagem e de "casa"
pode encontrar os meus looks diários, as minhas dicas, sugestões, tendências, maquilhagens, vídeos, etc em

www.diariodeumbatom.com


quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Sorriu de volta

Assim que terminou de ler a noticia sobre prisão dele, correu para o quarto e apesar de estar sozinha, trancou-se para não ser incomodada.
Sentou-se na cama entre as 3 paredes que um dia foram fortes e resistentes e que tanto a protegeram. O buraco no chão aos poucos ia fechando, taco a taco de madeira de cerejeira rosada, mas a cama continuava suspensa pela sua força. Já não tinha medo do vazio sabia que as suas inseguranças eram infieis mas que não a voltavam a trair.
Os lençóis de linho ainda húmidos das suas lágrimas e sonhos, suavizavam a sua angustia enquanto arranhavam a sua pele.
Da gaveta da cómoda tirou uma caixinha pequena e ornamentada pelas marcas digitais das suas mãos de todas as vezes que a esteve para a abrir, mas agora tinha chegado o momento de mergulhar na sua dor e encarar o seu segredo.
Devagarinho rodou a chave e o barulho do tempo arrepiou-a, como um suspiro levantou a tampa e viu o seu coração inteiro vermelho e chorou. Depois de tanto tempo ainda estava vivo e com vontade, em cada batimento lembrou-se de tantas coisas que uma pontada fria no peito magoou-a. Levou a mão ao peito mas não tinha nada.
Confortou-o nas suas mãos pequeninas e levou-o à boca e com os seus doces lábios sussurrou "estou aqui". O coração bateu com mais força e dele saíram as bailarinas de cristal e porcelana a dançar ao som de tudo. A felicidade iluminava o seu pequeno quarto e a luz do sol da manhã fazia-o maior e todas dançaram livres do medo entre notas de ouro e de pó.
Quando fez-se noite olhou pela janela cansada mas realizada e viu a lua armada em goma a entreter as crianças gulosas das suas memórias. Voltou-se e tudo estava no sitio, a gaveta fechada, as suas marcas nos lençóis, as bailarinas a dançar, o pó a voar, as paredes, o buraco a fechar e o coração a bater. Agora já podia respirar e voltar a sair.
Abriu a porta, sorriu e o tempo sorriu de volta.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Preciso de um titulo...


Depois de um jantar num restaurante pitoresco, sentaram-se na sala dele, com um afastamento conveniente.
Enquanto falavam e riam de tudo e de nada, ele começou a dizer-lhe o quanto a adorava. Interrompeu-a sem ter medo de a assustar. Hoje era o dia por que tanto esperara. A menina crescera e já tinha idade para entendê-lo.
Provou, em todos os segundos e palavras, que a conhecia ao pormenor. Que, ao longo dos anos, sentiu todas as suas dores, saboreou as suas lágrimas e tremeu com os seus sorrisos e, apesar da distância e do silêncio que os separava, nunca deixou de sofrer por não estar com ela.
Conhecia de cor as suas sardas e o cheiro dos seus cabelos e que o dia em que passasse os dedos por cada madeixa seria perfeito.
Olhou-a nos olhos, disse-lhe que a amava tanto e que o carinho que tinha por ela era imortal. Queria-a para sempre. Pediu-lhe desculpa por ser egoísta por querê-la só para ele. Chegou a pensar guardá-la numa gaiola de ouro para que cantasse só para si, mas sabia que, ao cortar-lhe as asas, o brilho que o tinha deixado sem fôlego durante tantos anos apagar-se-ia e ela acabaria por morrer.
Sentada do outro lado da salam as palavras e as emoções chegavam-lhe com força. Não estava preparada para se desviar e caíram-lhe todas no seu pequeno colo. Quando se conseguiu mexer, juntou-as e apertou-as com tanta força que chegou a ferir algumas sem qualquer intenção ou maldade. Tinha chegado o momento por que toda a vida esperara: alguém que a amasse incondicionalmente. De ter um homem que gostasse de tudo o que fizesse, que quisesse guardá-la e tê-la para sempre, com todo o amor e carinho.
Alguém que a visse como mulher, mas sentisse a sua inocência como um tesouro. Quis tocar-lhe mas não chegava. Era longe e cedo de mais e os seus braços ainda mais curtos. Os lábios rosados tentaram abrir-se, mas não conseguiu dizer nada. Os olhos brilhantes seguiam atentamente os grandes gestos dele e tentava dizer "quero-te".
Levantou-se, ajeitou a saia e, deixando cair algumas palavras de medo no chão, correu pelas escadas de madeira, saindo para rua, onde se perdeu por entre as pedras da rua direita, sem nunca olhar para trás.
O cheiro e a vontade por ela permaneceram na sala por todos anos que se seguiram, enquanto as palavras varridas para debaixo do sofá continuavam a ser as mesmas que lhe dissera e que apenas esperavam ser encontradas por entre o cotão acumulado.


sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Corte Tudo.....



Há 10 anos atrás, entrei no meu cabeleireiro e disse "Artur, Corte Tudo", tinha um cabelo lindo ondulado pelo fim das costas.

Sem remorsos ele cortou tudo, e por cada madeixa no chão verti uma lágrima pesada de pena e medo, alternada com uma lágrima limpa de alivio.
Um peso tinha saído de cima de mim e achei que iria mudar a minha vida. Que a minha leve nuca iria ajudar-me a ser mais sensata, coerente, assertiva e confiante.
Engraçado o poder de uma tesoura, é um estilo de fast terapia, Vai-se ao cabeleireiro e está-se curado.

Se fossem assim tão fácil....mas o cabelo cresce e a vida continua...e apesar de me divertir com os penteados curtos, os despenteados com a cera, as caricias no pescoço, ninguém me reconhecer e as piadas...tudo estava igual ou pior, agora nem tinha os meus longos cabelos para chamar a atenção e aos poucos fui desaparecendo e passei a ser ninguém.

Felizmente não tinha cabelos para arrancar, porque a foi a única coisa que não fiz. Desde cabeçadas, murros, estalos, gritos, choros descontrolados, eu estava por todo o lado. Parecia possuída pelo demónio. O pânico estava instalado na família, havia uma louca à solta.

Tarde mas, antes que nunca, procurei ajuda de uma psiquiatra. Pertinho do Júlio de Matos lol (apenas coincidência)
Entrei no consultório já a chorar, sentei-me na poltrona e disse-lhe "odeio ser o que sou e tenho a certeza que posso ser muito melhor, não me reconheço e não foi isto que imaginei que me iria tornar. Quero que isto passe e quero não ter medo de ser feliz!". E com o tempo os passos arrastados e pesados, o pescoço curvado, as costas fechadas e o olhar no chão, o desgosto de ser quem era, as lágrimas constantes e incontroláveis, a solidão, os ataques de pânico foram-se tornando uma história do passado à medida que eu crescia.

Passados 10 anos o cabelo cresceu e de muitas ondas e reviravoltas está lindo e brilhante, como em tudo precisa de cuidados e manutenção é muito sensível porque nunca se esquece que em tempos já foi muito curtinho.

Aos quase 38 anos , livre dos medos e dos receios, sou outra pessoa, orgulho-me de dizer que sei o que quero e o que não quero e tenho a certeza que nunca mais estarei com alguém que me faça cortar o cabelo como acto de desespero de mudança. Nunca mais estarei com alguém que me maltrate e que me faça sentir o que não sou só para se sentir melhor com ele mesmo.

Que isto sirva de exemplo para milhares de pessoas que se deixam influenciar porque não devem e merece. Todos temos o nosso espaço, a nossa personalidade e individualidade não permitam que ninguém  mas ninguém vos diga o contrário. Lutem pela vossa felicidade
A força e a vontade está dentro de vocês :)
e eu acredito nisso

Beijinhos e Bom Fim-de-Semana



terça-feira, 16 de outubro de 2012

Os Amigos

É só para avisar que vos escrevo um pouco alegre, por isso não me responsabilizo, por erros, palavrões, língua enrolada e teclas tremidas e alguma lamechice.

Hoje foi um dia especial, apesar de tentar que todos os dias o sejam, mas sentada à mesa com mais 9 amigos pensava, posso ter mais sorte que isto? O que move 10 pessoas que se conhecem há mais de 25 anos a estarem juntos apesar das suas vidas atarefadas de trabalhos, viagens, filhos, conjugues, numa mesa de madeira 3ª feira à noite.

Ao decorrer da noite foi simples entender que apesar da distancia, do silencio, sempre fizemos parte da vida uns dos outros. As memórias que nos unem são tão fortes que quase me atrevo a dizer que fomos e que ainda somos uma família  As gargalhadas e as histórias encheram o restaurante enquanto os petiscos e o vinho encheram-nos a alma.

Brindamos a tudo e todos e principalmente a nós porque merecemos. Somos sobreviventes de adolescência inconsciente, de carreiras internacionais, casamentos falhados, relacionamentos complicados, desemprego e até à perda de entes queridos e mesmo assim aqui estávamos nós a uma 3ª feira de copo em punho, olhos nos olhos e palavras soltas de entusiasmo. Sorrisos brilhantes, confidencias, partilhas, fotos e partilhas no facebook :)

O mais engraçado é que de um grupo de 50 ou mais, só 9 puderam estar presentes, mas sabemos que os restantes 41 também estiveram nos nossos corações e recordações e que apesar da impossibilidade de estarem presentes, vão estar sempre nas nossas vidas e quem sabe no próximo jantar.

Hoje de manhã prometi-me a mim mesmo nunca mais organizar nenhum jantar, mas depois de ter tido uma noite inesquecível e saber quem esteve sente o mesmo, como é possível negar-me a mais convívios como este.

Obrigada a todos os presentes pelo carinho sincero, toda a minha energia foi renovada, não fossem vocês os grandes responsáveis pela minha alcunha de Sofia Energia
Obrigada ao Restaurante Carnalentejena por nos ter recebido pelo excelente jantar que nos deixou completamente sem palavras, pelo vinho e champanhe que me deixou neste estado patético (eu que não bebo alcool) pelo profissionalismo e paciência. Recomendadissimo!!!

A todos os meus amigos, aos de hoje, de ontem, de amanhã, aos presentes, afastados,  desligados e aos estrangeiros um beijinho cheio de Energia e de Amor e obrigada por fazerem parte da minha vida. Adoro-vos

e para terminar em beleza aqui vai uma musiquinha
"Qual é coisa qual é ela qu' está na praia amarela? É os meus melhores amigos dubirubiru....."

Beijinhos

Sofia Energia

PS. Os amigos são uma peça fundamental do nosso equilíbrio emocional, o que seria a nossa vida sem eles...vazia

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Nº 5

Há tanto tempo que queria fazer um post sobre a fragrância Nº 5 da Chanel e finalmente graças a um videozinho, já faz sentido fazer.A fragrância não é a minha favorita, mas acho incrível como é possível um perfume de 1921 ainda ser o mais vendido no mundo. É realmente um feito histórico!

O video em baixo é perfeito porque conta a história de como foi inventado, confeccionado, a evolução, as mulheres que fizeram parte da história da fragrância e agora o homem que também fará!!!

"Um perfume de Mulher com Cheiro de Mulher" é um conceito perfeito, só por isso merece todo o sucesso que tem. Isto lembra-me o livro o "Perfume" em que as mulheres eram mortas pelo cheiro e o "monstro" criar a fragrância perfeita, apesar da intenção da Coco não foi matar ninguém, mas o resultado ser o mesmo que a do "herói mau" do livro.

Apesar de adorar tudo o que envolve a historia Chanel, a casa Chanel, as criações Chanel, as ideias, etc, não consigo sentir-me atraída por esta fragrância cheira-me sempre a pó de talco ou a perfume velho. Com esta minha declaração sinto que apunhalei o mundo da moda, por estar a ferir tão importante icon. Mas não posso mentir, se o tivesse seria apenas para decoração porque acho o frasco lindo e mereceria um lugar privilegiado na minha casa

Mas vejam o video, porque se aprende imenso sobre o produto, (nem sei se lhe posso chamar produto, mas também não quero repetir fragrância ..fica o Nº 5) e sobre o génio que o criou - Mademoiselle Coco Chanel! Uma mulher como poucas, que continua a ser uma diva e exemplo para a mulher moderna do sec. XXI
Uma mulher quem em 1921 tem a noção que "uma mulher deve usar perfume, onde quiser ser beijada" é brilhante, super sexy e sedutora e garanto-vos que vou já colocar em prática a partir de hoje!

Graças a outra Diva, mas do cinema, Marilyn Monroe, em 1952 revela que para dormir apenas usa algumas gotinhas do Chanel Nº5 :). Mais uma vez algo ultra feminino e sedutor envolve a história do perfume, fazendo com que ele se torne eterno.

Pensar que passaram 91 anos sobre a criação do Nº 5 e que a marca, o nome, o número, continua a ter uma força enorme na cultura, na moda e na economia do mundo é realmente de reforçar que Mademoiselle Coco Chanel foi e sempre será um génio e que graças a ela nós aprendemos a ser um bocadinho mais femininas e mulheres mesmo que usemos calças ;)

Beijinhos e vejam o video

http://www.youtube.com/watch?v=tRQa33dqyxI&feature=player_embedded

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Desabafo "The Party Must Go On"

Ontem ao final da noite recebi uma noticia que me deixou muito aborrecida, mas felizmente já estou bem...e muito bem

Alguém que me magoou muito no ano passado, decidiu e imaginem a "grande coincidência", fazer uma festa no mesmo local que eu, na minha escola de dança, igual à que tenho planeada para o dia 17 de Novembro, mas 1 semana antes da minha.
Bem isso deu-me cabo da cabeça, tendo 1 ano 12 meses e 365 dias, é óbvio que a coincidência é muito pouca! A tentativa de me tirar o protagonismo num dia que ele sabe que é tão especial para mim, o meu aniversário, magoou-me e deixou instável e comecei de imediato a ceder às minhas inseguranças.
Felizmente, uma coisa que aprendi este ano, foi a pensar, a esperar e a tomar as melhores decisões para mim.
E apesar de na altura do choque da noticia ter-me apetecido ir para casa espernear e sentir pena de mim, resolvi ir sair com uns amigos para me distrair.
Enquanto me divertia a dançar, a conhecer pessoas novas, novos ambientes e até rodopie num varão (porque o bar não tinha praticamente ninguém), cheguei à conclusão:

É triste como é que uma pessoa, que me magoou tanto, ainda tem a necessidade de achar que me vai continuar a afectar. 
Que precisa dos meus momentos, das minhas ideias e das minhas pessoas para se fazer destacar
Que no final de contas os 7 anos que estivemos juntos não fui eu que precisei dele, mas sim ele de mim e que continua a precisar.
Que foi graças aos meus conhecimentos, à minha felicidade, à minha fidelidade e aos meus amigos que ele se tornou alguma coisa.

Hoje sinto-me mais forte e tenho a certeza que a minha festa de anos não será abalada por um tipozinho qualquer que me quer imitar.

O resultado das nossas acções são mais fortes e sinceras se forem feitas com o coração e essa foi sempre a nossa diferença. Um cozinheiro tem sucesso quando cozinha com amor. 

Tudo o que faço é integro, sincero, real, espontâneo e com muito amor e carinho

"The Party Must Go On" e vai ser de arromba!!! Me aguardem....

Beijinhos e obrigada pelo apoio e por me acompanharem